Existem algumas “verdades” que, para um grande número de pessoas, são verdades mesmo, e por acreditarem nelas muitas oportunidades são desperdiçadas. Essas “verdades” influenciam fortemente a identificação e análise de problemas, bloqueiam a criatividade e, com isso, acabam afetando afetam fortemente as decisões.

Abaixo estão quatro dessas “verdades” que acabam atrapalhando os resultados esperados nas empresas.

Errar é humano
Não é verdade que errar é humano: acertar é humano. Evidentemente que erros poderão acontecer, mas não é possível considera-los como algo normal. Se aceitarmos isso estamos criando permanentemente a possibilidade de justificar os erros, falhas, desperdícios na empresa. Erros não fazem parte da natureza humana e não podemos aceita-los passivamente como algo natural.

Temos é que valorizar os acertos na empresa e tomarmos providencias para que os erros sejam corrigidos para que não aconteçam mais.

Cachorro velho não aprende novos truques
Normalmente as pessoas não preferem trabalhar sempre da mesma maneira, seguindo a rotina de sempre. Elas querem mudanças, querem melhorar a maneira como as coisas são feitas, querem atualização.

Independente do tempo de empresa ou da idade cronológica, as pessoas estão dispostas a aprender coisas novas e praticá-las. Por isso, mesmo os “cachorros velhos” da empresa querem aprender novos “truques”, querem fazer de maneira diferente, querem participar da mudança.

É só a empresa dar a eles essa oportunidade de mudar para ver como novas e maravilhosas coisas os “cachorros velhos” poderão fazer.

Santos de casa não faz milagres
As empresas muitas vezes desperdiçam recursos trazendo pessoas de fora para resolver seus problemas, quando dentro de suas paredes mesmo existem muitos colaboradores que poderiam resolvê-los de maneira mais rápida e com menor custo. Basta dar a eles essa oportunidade.

É preciso que a empresa valorize a gestão do conhecimento, isto é, toda a experiência teórica e prática que esta ali dentro dela, esperando e pronta para atuar.

Investir na formação e desenvolvimento de seu pessoal e incentiva-los a utilizar o que aprenderam na solução de problemas é não só uma forma de economizar recursos como valorizar e motivar o quadro de pessoal.

Casa de ferreiro, espeto de pau
A empresa deve se preocupar em oferecer a seus clientes e ao mercado em geral qualidade em produtos e serviços. Mas não pode esquecer que melhorar os processos internos também faz parte de um programa de qualidade.

Aliás, antes de pensar em oferecer qualidade ao mercado, a empresa deve olhar para seus processos, aperfeiçoá-los, torná0-los processos confiáveis, pois estes é que oferecerão produtos e serviços de qualidade e confiáveis.

Portanto, devemos falar é que em casa de ferreiro o espeto é de ferro e não de pau, porque há na empresa a preocupação constante de melhoria dos processos internos.

Categories: Carreira, todas

Leave a Reply


*