APENAS PLANEJAR NÃO É SUFICIENTE

Por Luiz Eduardo Gasparetto

    Três sapos estão na beira da lagoa quando um deles resolve pular na lagoa. Pergunta: quantos sapos restam na beira da lagoa?

Se você respondeu dois sapos, saiba que…..errou! Esta seria a resposta óbvia, mas acontece que um deles apenas RESOLVEU pular, mas na verdade não pulou.

Isso acontece diariamente com muitas pessoas que apenas resolvem fazer algo, mas não fazem: vou emagrecer, vou voltar a estudar, vou arrumar meu quarto, vou administrar meu tempo, eu vou, eu vou….. mas no fim não vai.

O mundo está repleto de pessoas assim, que resolvem fazer alguma coisa, mas não fazem. Grandes planos, grandes projetos, as famosas resoluções de fim de ano, que ficam apenas na intenção, mas não chegam à execução.

Nas empresas acontece a mesma coisa. Reuniões de planejamento que reúnem pessoas durante muitos dias e que depois de muitos debates e análises de milhares de dados chegam a planos estratégicos muito bem elaborados, bem encadernados, mas esses planos nunca são colocados em execução.

E por quê? Os motivos são os mais diversos, como por exemplo, a falta de divulgação desses planos, o não envolvimento das pessoas na elaboração dos mesmos, a falta de um método de controle para acompanhar a realização e a falta de liderança para levar as pessoas a executá-los. Acrescente-se a isso a indecisão das pessoas, o medo de sair da zona de conforto, de enfrentar o desconhecido trazido por um novo planejamento e o cenário está montado.

Mas não podemos esquecer que sem a execução não existem os resultados! O papel aceita tudo, os planos mais mirabolantes, mas executá-los são outros quinhentos. E com isso se abre um gap entre o plano e a ação.

Se você é um líder de equipe saiba que uma de suas tarefas mais importantes (se não a mais) é coordenar o trabalho de pessoas para que os planos sejam executados.

Quem quiser se aprofundar no assunto execução que, convenhamos, é muito pouco explorado na bibliografia e nos cursos realizados para gestores, recomendo a leitura do livro Execução- a disciplina para atingir resultados, de Larry Bossidy e Ram Charan, editado pela Editora Campus. Nele, os autores procuram mostrar exatamente como fechar essa lacuna existente entre o planejamento e a execução do que foi planejado.

Categories: Planejamento

4 Responses so far.

  1. André Gomes Correia disse:

    Gasparetto,
    Acredito que as pessoas são relacionadas com o meio, e este meio é que move o desenvolvimento delas (ou não). Existe uma grande diferença entre os lideres (gestores e operadores). Os lideres gestores (esperam as coisas acontecerem e depois tomam alguma atitude e nem sempre é a melhor, porém este gestor tem que acreditar na sua equipe para uma tomada de decisões) e gestores operacionais nunca está contente com o resultado de sua equipe e sempre põe a mão na massa. Acredito que teremos que ser os dois tipos de lideranças, mas é muito dificil saber qual é o momento certo de fazer estas mudanças. Você pode me ajudar nesta questão?

    • Gasparetto disse:

      Olá André.

      Realmente observamos nas empresas diversos tipos de liderança, mas a mais comum é o líder (na verdade mais um gestor do que um líder) que coloca sem nenhum pudor a mão-na-massa. Até concordo que em alguns momentos isso se torne necessário (nas emergências), mas de maneira geral o gestor deve fazer com que os outros coloquem a mão-na-massa. Numa analogia com uma padaria, o dono (gestor) fica no caixa, compra mercadorias, decide o que será feito, mas quem põe literalmente a mão na massa é o padeiro.

      O momento certo para ser um lider mais executor ou um líder mais gestor, como você os chama, vai depender entre outras coisas da situação do momento e do tipo colaboradores que ele tem: se colaboradores com muita experiência deixe que os outros trabalhem. Se eles não sabem ainda como executar a tarefa o executor aparece e faz, até para servir como treinamento.

      O momento certo de ser um ou outro irá depender, também, na própria sensibilidade do gestor de “sentir” a equipe para saber de qual tipo de liderança ela necessita no momento: um líder que puxa ou um líder que empurra. No momento certo, os dois estilos são necessários.

      Um abraço.

      Gasparetto

  2. Conhecer seu weblog é bom, e a equipe que se concentra na criação do Site Sucesso lhe saúda pelo seu trabalho interessante!

  3. Gasparetto disse:

    Obrigado Edmond e toda turma do Site Sucesso.

    Gasparetto

Leave a Reply


*