COMO CONSERTAR O MUNDO

Um cientista vivia preocupado com os problemas do mundo e estava resolvido a encontrar meios de minorá-los. Passava dias em seu laboratório em busca de respostas para suas dúvidas. Certo dia, seu filho de sete anos invadiu o laboratório disposto a ajudá-lo a trabalhar. O cientista nervoso pela interrupção, tentou que o filho fosse brincar em outro lugar.

Vendo que seria impossível demovê-lo o pai procurou algo que pudesse ser oferecido ao filho com o objetivo de distrair sua atenção. De repente, deparou-se com o mapa do mundo em uma folha de revista: era o que precisava. Com o auxílio de uma tesoura ele recortou o mapa em vários pedaços e, junto com um rolo de fita adesiva, entregou ao filho dizendo:

– Você gosta de quebra-cabeças. Então vou lhe dar o mundo para consertar. Aqui está o mundo todo quebrado. Veja se consegue consertá-lo. Calculou que a criança levaria dias para recompor o mapa.

Algumas horas depois ouviu a voz do filho que o chamava:

– Pai, pai, já fiz tudo. Consegui terminar.

Em princípio, o pai não deu crédito às palavras do filho. Seria impossível, na sua idade, ter conseguido recompor um mapa que jamais havia visto. Relutante, o cientista levantou os olhos de suas anotações, certo de que veria um trabalho digno de uma criança. Para sua surpresa o mapa estava completo. Todos os pedaços tinham sido colocados nos devidos lugares. Como seria possível? Como o menino havia sido capaz?

– Você não sabia como era o mundo, meu filho, como você conseguiu?

Pai, eu não sabia como era o mundo, mas quando você tirou o papel da revista para recortar eu vi que do outro lado havia a figura de um homem. Quando você me deu o mundo para consertar eu tentei, mas não consegui. Foi aí que me lembrei do homem. Virei os recortes e comecei a consertar o homem, que eu sabia como era. Quando consegui consertar o homem, virei a folha e vi que havia consertado o mundo.

Categories: Qualidade de Vida

One Response so far.

  1. MARILDA disse:

    ADOREI PROFESSOR, O SENHOR É REALMENTE UM MESTRE

Leave a Reply


*