Muitas situações existentes na empresa acabam levando as pessoas a se sentirem desestimuladas, mas existem algumas que são mais comuns e recorrentes. Entre elas podemos citar:

FAÇA O QUE EU MANDO E NÃO O QUE EU FAÇO

O gestor exige que o subordinado cumpra determinadas regras ou protocolos que ele mesmo não cumpre, como, por exemplo, exigir que o subordinado cumpra o horário de trabalho quando ele mesmo não faz isso.

SE TORNAR INVISÍVEL

Aquele gestor que simplesmente “desaparece” quando mais se necessita dele. Nos momentos mais difíceis para a equipe ele não está presente para apoiar. Ou foi na reunião com cliente ou foi ao dentista ou precisou visitar com urgência um fornecedor. E a equipe fica abandonada.

NÃO RECONHECER UM TRABALHO BEM FEITO

Evidentemente o subordinado é pago para fazer bem seu trabalho, mas algumas vezes ele vai além disso e até sacrifica algum compromisso particular ou outra atividade para cumprir um prazo, por exemplo. Nesse momento vale um reconhecimento que não precisa ser algo material, mas pode ser um “muito obrigado” ou um “parabéns” ou um reconhecimento do bom trabalho feito perante os colegas de trabalho. Reconhecimento é um dos maiores incentivadores do bom desempenho que um gestor pode utilizar.

VANTAGENS PARA ALGUNS

Dar a alguns subordinados algumas vantagens que outros não têm. Em detrimento da maioria o gestor dá para aqueles que lhe são mais “chegados” os trabalhos mais interessantes, mais fáceis ou que possibilitam maior exposição na empresa.

ACEITAR UM DESEMPENHO INFERIOR

O gestor aceita que na sua equipe existam subordinados que têm uma atuação bastante inferior ao restante do grupo e nada faz para corrigir a situação. Não treina, se o problema é não saber como fazer, não adverte se o problema é de “corpo mole”. Ele aceita a situação, continua carregando o “peso morto” e acaba sobrecarregando os demais membros da equipe, que ficam também insatisfeitos e desestimulados ao perceberem que nada é feito pelo gestor para mudar a situação.

NÃO AVALIAR O DESEMPENHO DO SUBORDINADO

Um estímulo forte para um colaborador é ter seu desempenho avaliado pelo seu gestor, e não falo apenas daquela avaliação de desempenho burocrática, feita normalmente uma vez por ano e realizada muitas vezes apenas para “cumprir tabela”. Falo da avaliação feita constantemente, corrigindo o que precisa ser corrigido, orientando o subordinado e elogiando-o quando necessário.

 

Categories: Atendimento, todas

Leave a Reply


*