SAIA DA SUA “ZONA DE CONFORTO” E ENCONTRE A CHAVE

Por Luiz Eduardo Gasparetto

É absolutamente normal que a pessoa sinta-se mais segura no que está fazendo quando está desempenhando aquelas atividades que está acostumada a fazer e que sabe fazer bem. Isso vale tanto na vida profissional quanto na pessoal. Isto é o que se denomina atuar na sua “zona de conforto”.

Zona de conforto é aquele lugar aonde nos acostumamos a ficar e gostamos de ficar, porque é uma situação conhecida que não nos trás sobressaltos ou ameaças, não nos causa ansiedade e que nos deixa confortáveis.

Mas qual é o problema de se acostumar a ficar na zona de conforto? O grande problema é que ela leva a acomodação, porque a pessoa pode ficar tão satisfeita que não faz nada para sair dela. E assim perde a chance de crescer, aprender coisas novas e se desenvolver.

Leia a estória abaixo, de autor desconhecido, mas que expressa bem o que queremos dizer quando falamos em “zona de conforto”:

“O PRINCÍPIO DO BÊBADO”

Você não conhece o “Princípio do Bêbado”? Pois saiba que ele é muito praticado, todos os dias, em muitas de nossas empresas. O “Princípio do Bêbado” pode ser ilustrado pela estória do Severino, que comemorava seu 27° aniversário e resolveu compartilhar a data com amigos. Duas horas da madrugada e o Severino volta para casa totalmente bêbado. Andar cambaleante, olhar vago, consegue chegar com dificuldade à porta.

Tira do bolso a chave, tenta encontrar a fechadura e não consegue. Tenta outra vez e não consegue. Na terceira tentativa a chave cai. Imediatamente Severino se afasta para onde havia um poste de luz a dez passos de distância da porta e do local onde a chave havia caído e começa a procurar.

Alguns amigos, vendo aquela situação, dizem: “Severino, bêbado tudo bem, mas burro não! Procure a chave onde ela caiu”. E Severino responde: “Ora, vocês é que são burros. Então não percebem que aqui onde estou procurando está muito mais claro do que no local onde a chave caiu e, por isso, posso enxergar melhor?” E, de fato, estava. Aquela era a “zona de conforto” do Severino.

Todos os dias, em muitas empresas, a lógica do Severino é praticada. De um problema qualquer, como por exemplo: “nosso lucro está diminuindo, precisamos aumentá-lo” a um especialista em Marketing e Propaganda e em nove casos em dez ele vai planejar campanhas de propaganda ou de promoções, criar anúncios, etc. Talvez a chave do problema não esteja aí, mas para ele essa é a área que está melhor iluminada e aonde ele se movimenta com mais facilidade.

De o mesmo problema a um especialista em finanças, e ele vai tentar reduzir custos falando em demitir gente, em trocar o sabonete do banheiro por um mais barato, controlando com maior rigor o número de cópias xerox e de cafezinhos etc. Talvez não esteja aí a solução do problema, mas para ele é onde está mais claro.

De esse problema a um especialista em Treinamento, e ele vai desenvolver cursos, seminários ou outras atividades que, na opinião dele, ajudariam a resolver o problema. Não é que a solução esteja necessariamente ai, mas para ele é a área melhor iluminada e aonde ele se sai melhor. Notamos que o Princípio do Bêbado é praticado, principalmente, por pessoa técnica quando é convocada para dar opiniões sobre solução para determinado problema.

Como ele não quer correr riscos saindo um pouco daquilo que lhe é familiar e conhecido, um dos seus esconderijos preferidos é “embaixo do seu poste”, na sua zona de conforto. Lá ele sente uma tremenda segurança. É mais cômodo e menos arriscado trabalhar onde há mais “luz”, onde vemos mais e onde somos melhor vistos, ainda que a “chave” não esteja ai.

Porque “achar a chave” pode significar ter que se envolver em áreas desconhecidas, experimentar novos e desconhecidos caminhos e enfrentar desafios saindo da zona de conforto. Mas pode significar, principalmente, encontrar a solução mais eficaz para um problema.

Leave a Reply


*